Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Rastreio da Toxoplasmose na vigilância Pré-Natal

por Laboratórios Germano de Sousa, em 30.03.16

P3209443-CC.jpg

 

As infeções do grupo TORCH (Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes vírus) são infeções comuns, no entanto, adquirem uma importância substancial quando ocorrem no decurso de uma gravidez. Os eventuais impactos sobre a saúde fetal, dependendo do período gestacional em causa, colocam o despiste desta infeção no contexto do rastreio pré-natal das infeções congénitas.

A Toxoplasmose, uma infeção causada pelo Toxoplasma Gondii (um parasita cujo hospedeiro definitivo são os gatos), pode afetar inúmeras mulheres a nível mundial, raramente causando doença.

No ser humano, o contágio com o Toxoplasma Gondii ocorre geralmente por via oral, na sequência do contacto com dejetos de gatos ou pela ingestão de carne de vaca, porco ou borrego (que tal como o homem, são hospedeiros intermediários) que não tenha sido devidamente cozinhada. No entanto, a doença não é transmissível de pessoa para pessoa.

O quadro clínico de uma infeção por Toxoplasma Gondii corresponde aos de um síndrome febril com calafrios, dor muscular e sinais de atingimento hepático. Na gravidez é uma infeção, que embora geralmente assintomática para a mãe, pode ser muito perigosa para o feto. A transmissão transplacentária, que ocorre apenas quando a gestante sofre infeção primária por T. Gondii durante a gravidez, tem várias formas de apresentação: No caso da infeção ter ocorrido antes da conceção (oito ou mais semanas antes) o risco de contaminação fetal é extremamente baixo. O risco de transmissão transplacentária aumenta ao longo da gravidez, passando de 15% nos primeiros três meses para 60% no último trimestre. No entanto o risco de morte fetal e/ou de lesões graves é inversamente proporcional à idade gestacional.

O rastreio da Toxoplasmose deve ser realizado no período pré-natal, através de uma colheita simples de sangue a partir de uma veia do antebraço materno. A pesquisa de anticorpos específicos através de testes serológicos constitui o método habitualmente utilizado para a confirmação do diagnóstico e ou imunidade para a Toxoplasmose. São frequentemente utilizados testes de imunofluorescência indireta ou testes imunoenzimático (ELISA) detetando anticorpos da classe IgG e IgM. O diagnóstico de infeção aguda é feita pela demonstração da presença isolada de anticorpos IgM permitindo avaliar o risco de transmissão para o feto. Os anticorpos IgG, no caso da infeção aguda, aumentam após duas semanas do início da infeção.

As gestantes que revelem imunidade na consulta pré-natal ou em situações de gravidez anterior, não necessitam de repetir o exame durante a atual gravidez. A maioria das mulheres desenvolve imunidade ao longo da vida, mas em situações de infeção durante a gravidez, o feto poderá ser infetado e poderá desenvolver complicações graves como cegueira ou atraso mental. Para evitar o contágio por Toxoplasmose, a gestante deverá redobrar os cuidados de higiene e evitar o consumo de carne crua ou mal passada e de todo tipo de alimentos crus, mal cozinhados ou mal lavados.

Para as gestantes que não apresentaram imunidade, devem efetuar o rastreio da Toxoplasmose a cada três meses, de forma a possibilitar a realização de um diagnóstico precoce.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:49



Número Verde

800 209 498


Traduzir


Médico Responsável:Dr. José Germano de Sousa

germano Nasceu em Lisboa em 1972. É Médico pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa desde 1997. Fez os seus Internatos no Hospital dos Capuchos (Internato Geral) e no Hospital Fernando Fonseca (Internato da Especialidade). É especialista em Patologia Clínica pela Ordem dos Médicos desde 2001 e é atualmente Assistente Graduado de Patologia Clínica do Serviço Patologia Clínica do Hospital Fernando Fonseca (Amadora Sintra) onde é o chefe da secção de Biologia Molecular Possui uma pós Graduação em Gestão de Unidades de Saúde pela Universidade Católica Portuguesa. Foi Assistente de Patologia Geral e de Semiótica Laboratorial nos Cursos de Técnicos de Análises Clínicas e Curso de Médicos Dentistas do Instituto Egas Moniz.Exerce desde 2001 a sua atividade privada, sendo desde Julho de 2004 responsável pela gestão dos Laboratórios Cuf e Clínicas Cuf para a área de Patologia Clínica. Tem várias comunicações e publicações sobre assuntos da sua especialidade


Envie a sua questão

laboratoriosgermanodesousa@sapo.pt

Contactos Laboratório Central

Site:
www.germanodesousa.com

Morada:
Pólo Tecnológico de Lisboa
Rua Cupertino de Miranda, 9 - lote 8
1600-513 Lisboa, Portugal

Marcações:
Tel.: 212 693 530 /531 /532 /533
Email: contact@cm-lab.com

Horário de Funcionamento:
Dias úteis 7h30 às 20h00
Sábados 8h00 às 14h00

Horário de Colheita:
Dias úteis 7h30 - 20h00
Sábados 8h00 às 14h00