Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sífilis Congénita – Diagnóstico e Tratamento

por Laboratórios Germano de Sousa, em 15.03.16

A Sífilis Congénita é uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum, que se transmite da mãe para o feto através da placenta em qualquer período da gestação e em qualquer fase da doença.

Uma gestante com sífilis tem cerca de 60 a 80% de probabilidade de infectar o feto com a doença. Quanto mais recente é a sífilis maternal, maior é a taxa de transmissão para o feto.

_40J3083.jpg

 

Um recém-nascido com Sífilis pode apresentar bolhas na palma das mãos e na planta dos pés e geralmente apresenta um aumento do fígado e do baço. Muitas das crianças com Sífilis Congénita permanecem na fase latente da doença durante toda a vida e nunca apresentam sintomas. No entanto, outras podem apresentar sintomas como úlceras no nariz e no palato. A infeção do cérebro devido à Sífilis não costuma provocar sintomas na infância, mas com o tempo a criança pode apresentar dificuldades na aprendizagem, surdez e cegueira.

Os sinais e sintomas característicos constituem uma base importante para o diagnóstico clínico. O médico assistente confirma o diagnóstico examinando ao microscópio uma amostra da erupção das bolhas ou da mucosidade nasal e solicitando testes serológicos.

A sífilis na gravidez tem cura quando o tratamento é realizado de modo adequado. O VDRL é o exame de sangue que despista a presença de sífilis e deve ser realizado no início do diagnóstico Pré-Natal e repetido no 2º trimestre, mesmo que o resultado seja negativo, pois a doença pode estar na fase latente e é importante que o tratamento seja instituído. Nas gestantes diagnosticadas com sífilis, o exame de VDRL deve ser realizado mensalmente até ao final da gravidez para confirmar a eliminação da bactéria.

A Sífilis Congénita pode ser prevenida através da administração de penicilina injectável à mãe durante a gravidez. O tratamento deve ser indicado pelo obstetra e as injeções de penicilina são normalmente administradas em 1, 2 ou 3 doses, dependendo da fase da doença. No entanto, o tratamento na última etapa de gravidez não reverte totalmente as anomalias que o feto já possa ter sofrido.

É muito importante que a gestante realize o tratamento até o fim para evitar transmitir a sífilis para o feto. Logo após o parto o bebé deve ser avaliado para que, caso seja necessário, faça também o tratamento com penicilina, o mais atempadamente possível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:13



Número Verde

800 209 498


Traduzir


Médico Responsável:Dr. José Germano de Sousa

germano Nasceu em Lisboa em 1972. É Médico pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa desde 1997. Fez os seus Internatos no Hospital dos Capuchos (Internato Geral) e no Hospital Fernando Fonseca (Internato da Especialidade). É especialista em Patologia Clínica pela Ordem dos Médicos desde 2001 e é atualmente Assistente Graduado de Patologia Clínica do Serviço Patologia Clínica do Hospital Fernando Fonseca (Amadora Sintra) onde é o chefe da secção de Biologia Molecular Possui uma pós Graduação em Gestão de Unidades de Saúde pela Universidade Católica Portuguesa. Foi Assistente de Patologia Geral e de Semiótica Laboratorial nos Cursos de Técnicos de Análises Clínicas e Curso de Médicos Dentistas do Instituto Egas Moniz.Exerce desde 2001 a sua atividade privada, sendo desde Julho de 2004 responsável pela gestão dos Laboratórios Cuf e Clínicas Cuf para a área de Patologia Clínica. Tem várias comunicações e publicações sobre assuntos da sua especialidade


Envie a sua questão

laboratoriosgermanodesousa@sapo.pt

Contactos Laboratório Central

Site:
www.germanodesousa.com

Morada:
Pólo Tecnológico de Lisboa
Rua Cupertino de Miranda, 9 - lote 8
1600-513 Lisboa, Portugal

Marcações:
Tel.: 212 693 530 /531 /532 /533
Email: contact@cm-lab.com

Horário de Funcionamento:
Dias úteis 7h30 às 20h00
Sábados 8h00 às 14h00

Horário de Colheita:
Dias úteis 7h30 - 20h00
Sábados 8h00 às 14h00