Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



113.JPG

 As doenças inflamatórias das fossas nasais têm sofrido nos últimos anos um crescimento exponencial. A poluição do ar, os hábitos tabágicos, as alergias, o uso frequente de ar condicionado e as infeções permanentes nos infantários e nas escolas são os principais fatores responsáveis.

A Rinite Alérgica é uma doença inflamatória crónica da mucosa do nariz, cujas principais manifestações no doente são espirros, tosse e obstrução nasal. Apesar de surgir em qualquer faixa etária, a idade média mais comum é entre os 8 e os 11 anos, sendo assim os adolescentes e os jovens adultos a população mais afetada.

A manifestação da Rinite Alérgica pode ser sazonal, dependendo de alergénios especiais como os pólens de plantas. O seu diagnóstico e tratamento são cruciais para garantir a qualidade de vida do doente.

O Exsudado Nasal é o exame citológico do muco nasal para pesquisa de eosinófilos e constitui uma das metodologias de diagnóstico da Rinite Alérgica.

O muco nasal é composto por 95% de água, 3% de elementos orgânicos e 2% de minerais e funciona como uma barreira permeável entre a mucosa e o ar inspirado. Os eosinófilos são células sanguíneas ativas em doenças alérgicas e infeções. A sua contagem é útil para diagnosticar a presença de bactérias ou alergias, como é o caso da Rinite Alérgica.

Para a colheita de exsudado da nasofaringe deve ser utilizada uma zaragatoa com uma haste fina e flexível que se introduz, aproximadamente, 5 a 6 centímetros, seguindo a base interior da narina na direção da região posterior da nasofaringe. A colheita é posteriormente analisada laboratorialmente por Microscopia Ótica através da Coloração Giemsa.

Os valores normais devem ser inferiores a 350 células/MCL (células por microlitro). Uma quantidade elevada de eosinófilos no sangue revela uma resposta do organismo à presença de alergénios responsáveis pela reação alérgica.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:24



Número Verde

800 209 498


Traduzir


Médico Responsável:Dr. José Germano de Sousa

germano Nasceu em Lisboa em 1972. É Médico pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa desde 1997. Fez os seus Internatos no Hospital dos Capuchos (Internato Geral) e no Hospital Fernando Fonseca (Internato da Especialidade). É especialista em Patologia Clínica pela Ordem dos Médicos desde 2001 e é atualmente Assistente Graduado de Patologia Clínica do Serviço Patologia Clínica do Hospital Fernando Fonseca (Amadora Sintra) onde é o chefe da secção de Biologia Molecular Possui uma pós Graduação em Gestão de Unidades de Saúde pela Universidade Católica Portuguesa. Foi Assistente de Patologia Geral e de Semiótica Laboratorial nos Cursos de Técnicos de Análises Clínicas e Curso de Médicos Dentistas do Instituto Egas Moniz.Exerce desde 2001 a sua atividade privada, sendo desde Julho de 2004 responsável pela gestão dos Laboratórios Cuf e Clínicas Cuf para a área de Patologia Clínica. Tem várias comunicações e publicações sobre assuntos da sua especialidade


Envie a sua questão

laboratoriosgermanodesousa@sapo.pt

Contactos Laboratório Central

Site:
www.germanodesousa.com

Morada:
Pólo Tecnológico de Lisboa
Rua Cupertino de Miranda, 9 - lote 8
1600-513 Lisboa, Portugal

Marcações:
Tel.: 212 693 530 /531 /532 /533
Email: contact@cm-lab.com

Horário de Funcionamento:
Dias úteis 7h30 às 20h00
Sábados 8h00 às 14h00

Horário de Colheita:
Dias úteis 7h30 - 20h00
Sábados 8h00 às 14h00


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.